sábado, dezembro 31, 2005

Campos



Percursos do grupo BTT rota incerta

Eu também acho ...

Em recente entrevista um aguedense defendeu que em Águeda "Não podemos ter mil associações" (Região de Águeda 29.12.05) e que deveria existir "um grande projecto a nível local" em vez de "mil clubes ou associações no concelho".
Eu também acho. Clubes e associações só com autorização central do regedor da freguesia. Podia ser assim. Associações comerciais e afins só podiam ser no Beco, por causa da feira mensal. Já associações industriais só seriam permitidas em Assequins por razões já reveladas pelo Dr Deniz nos seus estudos. Clubes de futebol só em Barrô para poder construir centenas de campos no Vale do Cértima. Associações e actividades ligadas ao cinema e multimédia só seriam permitidas em Fujacos atendendo à sua história ligada à produção audio-visual. No Teatro só o Orfeão de Águeda teria apoio para subir ao palco porque já faz teatro há muitos anos. As artes plásticas e nomeadamente a pintura ficaria centralizada na Falgarosa para que as suas lindas vistas, inspirassem os artistas. Mesmo o Carnaval só poderia ser festejado com apoios e com significado local em Fermentelos. Quem quisesse jogar ao Carnaval que fosse para Fermentelos. Quanto á Música seriam colocadas duas propostas sobre a mesa: a) fusão de todas as bandas formando a maior banda de música da Europa e arredores. b) disputa de uma maratona musical em que a banda que aguentasse mais tempo a tocar o "Malhão de Águeda" ficaria com o direito a ser a única e legítima representante da arte musical em Águeda. Quanto ás IPSS ligadas à infância e educação pré-escolar seria construída um hiper Jardim de Infância em Macieira de Alcoba em função das acessibilidades e como medida de combate à desertificação. Os cuidados aos idosos seriam da responsabilidade de uma única entidade localizada em Agadão terra de bons ares. A ocupação do tempo livre das crianças e jovens através da prática desportiva seria da responsabilidade de uma única entidade sediada em Fermentões.
Em coerência deveríamos dizer "Viva o camarada Mao", "Vida eterna ao camarada Estaline" porque ambos pensaram assim...............

segunda-feira, dezembro 19, 2005

O que eles fizeram ao nosso Botaréu...

Para quem, como nós, sente uma atracção muito especial pela zona ribeirinha da cidade e pelo majestoso vale do rio Águeda, tão belamente descrito pelo Adolfo Portela – ali nascemos e crescemos, ali vivemos emoções que ficarão sempre na memória… -, não pode deixar de ser triste pensarmos no que se fez ao Botaréu, nos últimos anos. Repare-se:
- Tínhamos uma vasta área aproveitada para estacionamento e para a “praça” de todos os Sábados, limpa e provida de toda a sombra do mundo, onde sabia bem reencontrar amigos e cavaquear um pouco nos dias de sol aberto. Era sobretudo o Botaréu que “alimentava” o pequeno comércio da baixa, onde era cómodo e rápido - com estacionamento garantido! - fazer-se as pequenas compras do dia a dia. É certo, carecia de vários melhoramentos, mas pontuais e com aproveitamento inteligente do património existente, sobretudo das suas árvores!
- Temos hoje uma praça despida de árvores e com escasso estacionamento, o que explicará, em parte, o definhamento do pequeno comércio envolvente. Gastaram-se rios de dinheiro – quanto foi, ninguém sabe, para além dos amigos de Castro Azevedo… -, com um conjunto de ideias dispersas feitas de cimento e de gosto duvidoso, apostamos que pensado por técnicos que pouco ou nada conhecem da alma da nossa terra e que, como sempre, não quiseram recolher junto dos cidadãos uma bolsa de ideias, que iria dar ao Botaréu a atracção que merece!...
Por isso, caros amigos, cremos que, hoje em dia, o Botaréu é o exemplo maior da enorme falta de visão, da clara incapacidade de quem mandou na Câmara Municipal, ao longo das últimas décadas! C. C.

sexta-feira, dezembro 16, 2005

Portas da Venda Nova (IV)

UEFA atribuiu Europeu sub-21 a Portugal e Águeda é uma das cidades-sede

Pois é. O país está mirrado, com os cidadãos a "ferro e fogo", com o investimento público a cair, as autarquias locais endividadas mas o que mais necessitávamos era de mais um Campeonato Europeu de Futebol. Toda a gente sabe que adoro futebol, mas tenho um problema grande. Gosto muito mais de jogar do que ver jogar. É esse o problema deste país. Julga que o Desporto é ver os outros fazer, é assistir passivamente, é só saudar a excelência dos melhores praticantes. Por isso somos dos europeus que menos praticam (Eurobarómetro da União Europeia, 2004). Apenas 22% dos portugueses calçam as sapatilhas e vestem o fato de treino para se mexer, para praticar uma qualquer actividade física e desportiva. Pudera. Com exemplos continuados destes. Com um Estado que desperdiça investimento público em "elefantes brancos" de instalações desportivas. Um Estado que se preocupa muito mais com o efeito efémero das realizações desportivas, do que com as práticas desportivas diárias dos seus cidadãos. Do Euro-2004 o principal que ficou foi o endividamento de algumas autarquias locais. E se o Estado é assim na sua majestosa acção política que expectativas podemos ter das nossas autarquias locais que não ficarem "babadas" e parolamente deliciadas com coisas destas. Tudo porque não existem ideias e políticas de efectiva promoção da prática desportiva por todos os cidadãos. O compromisso do Estado e das autarquias locais é com a saúde das populações, com o seu bemestar, com a sua qualidade de vida. Depois de tudo isso, sim podem vir todos os campeonatos da europa e do mundo.
É tempo de pensar nas pessoas e não distrair as pessoas com "circo"...
Quando aprendemos com os melhores ...

segunda-feira, dezembro 12, 2005

Bugas à superfície...

Claro que o metro de superfície é um meio de transporte fundamental em áreas de forte densidade populacional e rápida concentração de automóveis. Mas mesmo com o velho "vouguinha" já me contentava com as "bugas" disponíveis e a funcionar. Já repararam que o normal é encontrar "bugas" com o respectivo cadeado á espera do possuidor da sua chave? As "bugas" foram privatizadas. Não foram atiradas à ria, nem roubadas para qualquer bairro da cidade. Estão privatizadas para uso e abuso pessoal e exclusivo. A sua lógica de utilização parece que não "encaixa" na mentalidade lusa...
Zé.....vamos pedir primeiro as "bugas".
PS - por falar em "bugas". Sabiam que o projecto das BUGAS foi oferecido Á CM de Águeda por um designer cá do burgo e perante o desinteresse foi até Aveiro e teve a receptividade que se sabe. Resta-nos a consolação de terem sido fabricadas em Águeda...

A ver passar os comboios...

Hoje de manhã, parado no meio do tradicional engarrafamento das 9 horas em Aveiro, pus-me a pensar como seria bom ter um metro de superfície (com todo o conforto e frequência que a coisa exige) que me pudesse transformar num verdadeiro "commuter" Águeda-Aveiro-Águeda. Goradas as expectativas de 'desengarrafamento', estendi a reflexão e dei comigo a pensar na falência técnica da CP. Falência técnica? Apesar de não ser contabilista nem economista, uma empresa entra em falencia técnica quando, mais coisa menos coisa, não consegue cobrir as suas dívidas com o valor contabilístico dos activos. Cinco metros mais à frente... a CP não é uma empresa pública que existe, como a sua designação indica, para prestar um serviço público? Sim, pensei... logo, o Estado deveria assegurar a resolução do problema, o mesmo Estado que paga compensações financeiras a empresas privadas pelo serviço público que estas prestam (como é o caso da Fertagus que assegura a ligação ferroviária entre as duas margens do Tejo).
Mais cinco metros, e já com a rotunda do Hospital à vista... lembrei-me de um episódio ocorrido há uns tempos numa das minhas deambulações pela gélida Escandinávia. Estava num daqueles retiros que por vezes uns académicos arranjam a outras académicos para contemplar o Mundo, ou seja, no meio de nenhures, rodeado de neve e floresta por todos os lados, e, da janela do meu quarto, via, todos os dias, quatro vezes ao dia, duas na direcção de Ostersund, outras duas na direcção da fronteira Suécia/Noruega, um comboio a passar. Na maior parte das vezes... quase vazio, o que não admira numa região em relação à qual o Alentejo tem um densidade populacional extremente elevada. Será que a SJ (a CP sueca) já entrou em falência técnica? Só pode... a não ser que para os suecos seja mais importante prestar o tal serviço público do que assegurar a auto-sustentabilidade da SJ (já agora, para mim boa gestão pública não é assegurar auto-sustentabilidade, é gerir da melhor forma possível os recursos públicos que permitem prestar serviços públicos dignos.
A partir da rotunda, o trânsito desanuviou, a velocidade aumentou e... TGV. Um país que tem a sua transportadora ferroviária em falência técnica vai construir uma linha de TGV entre o Porto e Lisboa? 330 km? Deixem-me voltar às gélidas paragens: a Finlândia, o país mais competitivo do Mundo em 2004, com as contas nacionais todas em dia, tem cidades social e economicamente pujantes a mais de 900 km de Helsinquia, a capital (Oulu , por exemplo, a 620 km, é um dos grandes centros de I&D da Nokia). O tráfego ferroviário de passageiros é intenso e os comboios existentes (tipo pendolino) confortáveis e pontuais. Falem no TGV a um finlandês e a resposta mais certa é "Mikä?", ou seja "o que é isso?".
Estacionei o carro... ainda não consegui perceber como é que Aveiro, Águeda e outros municípios da região não agarraram com unhas e dentes o projecto do metro de superficie...

CR

sábado, dezembro 10, 2005

Jacintos look


O cerco dos jacintos por toda a Pateira de Fermentelos é cada vez mais cerrado e forte.

sexta-feira, dezembro 09, 2005

O Homem da Rua de Baixo ...

O candidato Manuel Alegre (Rua de Baixo) foi entrevistado em simultâneo com o candidato Cavaco Silva (Boliqueime). O homem da Rua de Baixo nem parecia um ex-desportista das camisolas grenás do Recreio. Jogou a meio-campo, fez contenção de jogo e....cúmulo dos cúmulos trocou galhardetes com o seu adversário político. Para quem estava à espera de um jogo no campo do Adro com balizas arborizadas ou mesmo uma renhida partida no Largo do Botaréu foi uma grande desilusão. Coisas da política neo-moderna que se rende aos tactiquismos de circunstância...
Esperemos melhores embates políticos...

terça-feira, dezembro 06, 2005

Somos 3 ...

O BLOGUEJUDEU ganhou mais um elemento. Saudamos a aceitação do convite por parte do Carlos José que concerteza irá "postar" com a qualidade e pertinência que todos conhecem.

um abraço
e boas "postagens

Estreia

Caro chief-blogger

Antes de mais, os meus agradecimentos pelo convite para "bloggar" no Bloguejudeu.
Apesar de assustado com a obrigatoriedade de fazer um post por semana (faz-me lembrar o Círculo de Leitores com a obrigatoriedade de comprar pelo menos um livro por mês...), espero poder participar activamente.
"Xu-ban-yan shang ba xiong ma"- é assim que, no dialecto de Shanghai, se diz Cartório Notarial.

CR

domingo, dezembro 04, 2005

Águeda no seu melhor...



Um toque de ilegalidade urbana fica sempre bem na nossa cidade...

quinta-feira, dezembro 01, 2005

Há mais mundo para lá da TV ...


UEFA visita Estádio Municipal
Ver as condições para a fase final do Europeu sub-21 de 2006 é o objectivo
Três representantes da UEFA estão de visita a Portugal, a fim de verificarem as condições oferecidas pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF), depois de apresentada a candidatura à organização da fase final do Europeu sub-21 de 2006. Águeda, Aveiro, Barcelos e Braga foram os estádios visitados

Goran Havik, Marcello Alleca e Pascal Cornu estão em Portugal desde domingo para cumprir, até esta quarta-feira, a visita aos estádios municipais de Águeda, Aveiro, Barcelos e Braga, assim como pelos centros de treino propostos pelo projecto da organização (quatro na zona de Braga e outros tantos na região de Aveiro).
A delegação do organismo que tutela o futebol europeu tem sido acompanhada por elementos da FPF: Álvaro Albino, enquanto coordenador do projecto, Cláudia Poças e Teresa Romão.
“A nossa missão é apresentar os locais à UEFA, esclarecendo dúvidas e explicando a estratégia que temos preparada para receber aquela que é a segunda mais importante prova europeia, a nível de selecções”, explicou Álvaro Albino.
O coordenador do projecto luso acrescentou que Portugal possui “todas as condições, quer seja ao nível logístico, de infra-estruturas, de comunicações, de hospitalidade ou até do próprio clima, para que o Europeu Sub-21 de 2006 seja uma grande festa”, caso a UEFA decida dar a organização à FPF.
A fase final do Europeu vai decorrer entre 25 de Maio e 6 de Junho de 2006 e o país anfitrião vai ser anunciado pela UEFA a 14 ou 15 de Dezembro, após reunião do seu Comité Executivo.
Portugal, Alemanha, França, Sérvia e Montenegro, Dinamarca, Holanda, Ucrânia e Itália, país detentor do título e também candidato à organização do Europeu, são as selecções apuradas para a derradeira fase da prova, cujo sorteio decorre a 8 de Fevereiro de 2006.
Autor: Região de ÁguedaFonte: internaTerça-feira, 29 de Novembro
de 2005 - 18:40:07
É tempo de em Portugal e também em Águeda olhar mais para o que se faz quotidianamente para os cidadãos e munícipes em termos de fomento e promoção da prática de actividades físicas e desportivas. Estamos faaaaaaaaartos de show-off para transmissão televisiva. É uma visão parola e bacoca de notoriedade e desenvolvimento. Neste caso concreto porque será que não existem vários países interessados em organizar a dita competição. Construir estádios que endividam as Autarquias Locais para realizar 1/2 jogos ou servir de treino só mesmo em Portugal. Pense-se nos portugueses. Pense-se como sairmos da cauda da Europa na percentagem de cidadãos com vínculo à prática desportiva. Construam-se espaços e equipamentos desportivos na base da acessibilidade e polivalência de utilização. É tempo de mudar o paradigma de investimento público em instalações desportivas. Seria uma boa ideia que em Águeda também surgissem novidades a este nível. Basta de fazer coisas para dar na TV... Há mais mundo para lá da TV...